Área Restrita

Novas Leis Trabalhistas: Confira 5 tópicos que sofreram alterações

13/11/2017
Notícias
Institucional

No último sábado (11), entrou em vigor as novas regras das relações trabalhistas no Brasil, que foram aprovadas pelo Congresso e sancionadas pelo presidente em julho. A nova legislação alterou diversas normas previstas na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). De acordo com o Ministério do Trabalho, as novas regras valerão para todos os contratos de trabalho vigentes, tanto antigos como novos. Conheça 5 das principais mudanças nas leis trabalhistas.

 

Férias:

Os 30 dias anuais ainda estão valendo. Porém, em caso de acordo entre trabalhadores e empresários, as férias poderão ser divididas em até três vezes, desde que seja um período de 14 dias corridos e, os demais, cinco dias corridos.

 

Intervalo de almoço:

 

O intervalo poderá ser negociado, desde que tenha, no mínimo, 30 minutos. Para o caso de o empregador não oferecer o intervalo mínimo para almoço, a indenização será de 50% do valor da hora normal de trabalho, em cima do tempo não concedido. Ao invés de todo o tempo de intervalo.

 

Grávidas e lactantes:

 

Agora podem trabalhar em locais insalubres, desde que estes tenham graus "mínimos e médios", podendo ser afastadas apenas com uma solicitação do médico. No caso de grau "máximo", o trabalho não é permitido.

 

Demissão:

 

Em caso de acordo entre a empresa e o funcionário, o contrato de trabalho poderá ser extinto com o pagamento de metade do aviso prévio e metade da multa de 40% sobre o saldo do FGTS. O empregado também poderá movimentar até 80% do valor depositado pela empresa na conta do FGTS, porém não terá mais direito ao seguro-desemprego.

 

Banco de horas:

 

O banco de horas pode ser feito em forma de acordo individual escrito, desde que a haja a compensação em um período máximo de seis meses.

Veja Também

16/07/2013
Institucional

com-dez-vetos-dilma-sanciona-ato-medico

Com os vetos, outros profissionais de saúde poderão formular diagnóstico e prescrever terapias. (Fonte: Agência Brasil) A presidente Dilma Rousseff sancionou nesta quinta-feira, 11, com dez vetos, a lei que disciplina o exercício da medicina no país. O texto foi publicado no Diário Oficial da União (DOU). A questão mais polêmica, referente à responsabilidade pela formulação do diagnóstico e pela prescrição terapêutica, foi vetada pela presidente para não prejudicar inúmeros programas do SUS (Sistema Único de Saúde). Também conhecida como Lei do Ato Médico, a norma determina que são privativas do médico atividades como indicação e execução de intervenção...

29/11/2011
Institucional

fiador-deixa-de-ser-exigido-em-contratos-do-fies

O Ministério da Educação (MEC) anunciou na última semana, a regulamentação do fundo garantidor do Fies (Financiamento Estudantil). A partir de agora, alunos de baixa renda não precisarão mais ter fiador na hora de solicitar o crédito.   A medida vale para quem possuir renda familiar mensal per capita de um salário mínimo e meio ou estiver matriculado em um curso de licenciatura. Também podem dispensar o fiador bolsistas parciais do Prouni (Programa Universidade para Todos) que assinem contrato a partir de agora para financiar o resto da mensalidade. Contratos antigos que já têm fiador não poderão entrar no fundo garantidor.   Para que o estudante tenha acesso...

16/06/2014
Graduação

Gincana Cultural do Curso de Administração arrecada 4 toneladas de alimentos

Alimentos são doados para instituições que atendem crianças, indígenas e PNE’s. O projeto do curso de Administração teve duração 80 dias, quando foram desenvolvidas várias atividades como torneio solidário para arrecadação de alimentos, parcerias com empresários, sorteio de prêmios, visitas a supermercados para coletas de alimentos, e visitas em bairros. O coordenador do curso de Administração, destacou que os acadêmicos do curso visitaram as tanto para coletar alimentos, como para identificar as pessoas necessitadas.

25/05/2013
Institucional

assalariado-com-nivel-superior-ganha-em-media-219-mais-diz-ibge

Homens ainda ganham 25,7% mais que as mulheres.     Fonte G1 Os assalariados com nível superior receberam em média, em 2011, 219% mais que os que não tinham essa formação, segundo dados divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). De acordo com a pesquisa, o salário médio do primeiro grupo foi de R$ 4.135,06 e o do pessoal sem nível superior, R$ 1.294,70. Apesar da diferença, na comparação com 2010, os salários de quem não tem nível superior subiram mais: 2,1%, ante 0,6% do outro grupo, de aumento real (acima da inflação). A fatia dos trabalhadores com nível superior, por sua vez, cresceu 8,5%, para 17,1% do...

Comentários

CAPTCHA Image
Recarregar Imagem